“Eleição de 2018 na Bahia vai ser uma luta dura” – Deputado Aleluia

“Eleição de 2018 na Bahia vai ser uma luta dura”

25888694330_efc0672de3_k

O deputado federal José Carlos Aleluia, presidente do DEM na Bahia, acredita que a eleição de 2018 não será fácil no estado

Por Osvaldo Lyra (Editor de Política)

Colaboraram: Henrique Brinco e Guilherme Reis

O deputado federal José Carlos Aleluia, presidente do DEM na Bahia, acredita que a eleição de 2018 não será fácil no estado. O parlamentar afirmou, em entrevista exclusiva à Tribuna, que a legenda vai dar total liberdade ao prefeito ACM Neto (DEM) na escolha da composição de chapa ao governo estadual. “Acho que todos os partidos delegaram a ACM Neto a escolha dos seus companheiros de chapa. Nós queremos vencer e para isso temos que dar liberdade a ele”, diz. O democrata acredita que o governador Rui Costa (PT) também terá grandes dificuldades para se reeleger, já que será questionado sobre um grave problema que atinge o estado. “Acho que a avaliação em geral dos pontos mais fracos do governo vão estar na segurança pública. É o problema que aparece nitidamente nas pesquisas. As pessoas estão inconformadas com o serviço que estão recebendo”, analisa. Ainda na entrevista, Aleluia comenta os avanços da Operação Lava Jato e analisa o governo do presidente Michel Temer.

Tribuna da Bahia – Vimos nos últimos dias o estremecimento entre o Legislativo e o Judiciário. O que o senhor achou do desfecho para a crise institucional que se estabeleceu entre os poderes?

José Carlos Aleluia – Esse desfecho foi dentro da normalidade. O Senado aguardou que o Supremo se posicionasse em relação à decisão da turma e só depois disso o Senado tomou a decisão. O clima político tem que avaliar. Em termos institucionais, a crise acabou.

Tribuna – Dois pesos e duas medidas. Como o senhor avalia a situação de Aécio? Abriu um precedente que preocupa?

José Carlos Aleluia – Não houve precedente algum. O Senado assumiu a responsabilidade, o divergir na forma da Constituição da decisão do Supremo.

Tribuna – Por que os congressistas mudam de postura atendendo aos próprios interesses? O corporativismo ainda continua imperando no Congresso?

José Carlos Aleluia – Acho que é mais uma questão política do que puramente da corporação. É evidente que a corporação se manifesta. Mas você vê que foi uma decisão apertada, não foi uma decisão folgada. Foi uma decisão do Parlamento, na forma da Constituição.

Entrevista completa na edição de 23/10/2017 do jornal Tribuna da Bahia